29 dezembro, 2008

Requiem Polaroid

Andy Warhol
(© Ron Galella)

Agora que os filmes Polaroid dão os últimos suspiros sucedem-se os requiems e os artigos mais ou menos nostálgicos, como o que Michael Kimmelman publicou há dias no New York Times.
Kimmelman diz que a fotografia instantânea inventada por Edwin Land não era perfeita, mas era mágica. Concordo. Quem disse que a perfeição é a virtude da imagem?

1 comentário:

Filipe disse...

É uma pena que tal tenha acontecido, justamente numa altura em que muitas pessoas começavam a descobrir a fotografia instantânea ou em filme, ainda que tenham começado a fotografar com o formato registo digital.
O preço destas máquinas e também das de médio formato está muito mais acessível e é possível ter acesso a equipamento outrora profissional ou simplesmente diferente a preços bem mais simpáticos.
Digamos que este desaparecimento súbito foi impedir uma "nova vaga" de utilizadores, que se estava a começar a desenvolver e que estava justamente a aproveitar a disponibilidade do filme em associação ao baixo custo (ou custo acessível) a que se podiam encontrar as máquinas.
A Web, para além de uma "ameaça" foi também uma forma de criação de comunidades que se desenvolveram em volta da fotografia instantânea.
Destaco por exemplo o site www.polanoid.net, ou o site associado www.polanoir.net

Fico também com pena, pois estou a racionalizar o meu stock, embora tenha 2 SX-70 e uma Polaroid 600 que não vou poder usar em breve.
Para a Polaroid 210 ainda é possível optar pelos cartuchos da Fuji, que parecem que vão continuar a existir - mas as cores não têm nada a haver...
O "instant" dará lugar a uma série de presets nalgum programa de edição de imagem, para que se assemelhem ao filme Polaroid e depois mandar fazer lambda prints, para fazer de conta...

Seria interessante também referir, que não foi apenas o digital que matou a Polaroid.
Com o digital, as vendas claramente desceram e em especial no mercado profissional, mas não se esperou pela tal nova vaga de utilizadores que voltaram a encontrar prazer num tipo de fotografia mais lo-fi.

A empresa que comprou a marca está actualmente a abrir falência nos EUA, e os esquemas fraudulentos do seu presidente (que até se encontra preso) vão para além da questão "digital kills the instant film star".
Já agora no site da Bloomberg.

 
free web page hit counter