20 março, 2007

o pesadelo de Carter

Kevin Carter, Sudão, 1 de Março de 1993 (© CORBIS/Sygma)

O abutre espera pacientemente o momento para atacar o corpo em agonia de uma criança sudanesa. O fotógrafo, também predador, espera um momento certo para o disparo que garanta o maior dramatismo, o maior impacto à imagem.
Esperam.
Esperam ambos.
No impasse, o fotógrafo desiste, capta a espera do outro e vai-se embora.
Esta fotografia valeu ao sul-africano Kevin Carter um prémio Pulitzer em 1994. Desde que foi publicada na capa do New York Times, transformou-se no seu maior pesadelo. Para onde quer que se voltasse soava a pergunta: e depois, o que é que fizeste para ajudar a criança?”. Carter não fez nada e essa decisão acabou por lhe toldar a lucidez e levá-lo ao suicídio, no mesmo ano em que foi galardoado.
Kevin Carter começou a carreira como fotojornalista em 1984 no The Johannesburg Star. Retratou o apartheid a partir dos locais mais violentos e perigosos dos arredores da capital sul-africana. Desde a libertação de Mandela, em 1990, até à paz e democracia, em 1994, testemunhou a demência assassina que se instalou em bairros como o Soweto, Tokoza e Katlehong, a lado de outros três fotojornalistas, a saber Ken Oosterbroek, Greg Marinovich e João Silva, um grupo que ficou conhecido por “Bang Bang Club”.
John Carlin, jornalista inglês destacado pelo The Independent para cobrir o conflito sul-africano, traça no El Pais o percurso de Carter e explica como, nestes cenários, se perde a compaixão.

O espanhol Canal + transmite o documentário The Death of Kevin Carter: Casualty of the Bang Bang Club (Dan Krauss, 2004) no sábado, dia 24, às 21h30.
O site oficial do filme, produzido pela HBO, está aqui.
A entrevista com Dan Krauss pode ser lida aqui.


Kevin Carter

7 comentários:

nelson d'aires disse...

pois... é o tal dilema de VER demais...

Tiago disse...

Impressionante. Já conhecia a fotografia, mas não sabia da história do suicídio. Dá que pensar...

zczo disse...

Sem palavras. Pior do q a imagem é mesmo a pergunta. O q fazemos nós para não haver fotos destas? Ficar chocado não chega. Mas tb não sei por onde começar.

ic@rol disse...

Por um lado revolta-me o excesso da posição de espectador que dispara e vira costas, por outro são estas imagens que por nos chocarem nos fazem reagir e por isso são essenciais. Prefiro gostar da fotografia como ela é e pensar que ele cometeu um grave erro humano que ele tinha de resolver com ele próprio e com a crítica já que fez questão de relatar a forma como obteu a fotografia.

Tiago cação disse...

Certamente o melhor Post.
É torno dos sentimentos que se vive, nem que eles cheguem tarde demais...

Sérgio B. Gomes disse...

Comentário de Maria Sousa (enviado por e-mail):
"Sou uma fiel seguidora deste blog há muito tempo e muitas vezes retiro indicações/sugestões e divulgo, com a devida referência, no meu blog. Esta fotografia já passou tantas vezes pelos meus olhos e todas as vezes me perguntava que era feito desta criança... Agora já sei que foi salva por um jovem chamado Carter, um pouco tarde, mas ainda a tempo de espantar todos os abutres deste mundo menos os que estavam dentro dele. Uma fotografia imensa, uma lição de vida intensa. Obrigado pela partilha.
O meu blog: http://mariapudim.blogspot.com/"

Anónimo disse...

tibia money tibia gold tibia item runescape money runescape gold tibia money tibia gold runescape gold runescape accounts tibia gold tibia money runescape money runescape gp buy runescape gold tibia gold tibia item buy runescape money runescape gold runescape items tibia money tibia gold

 
free web page hit counter