01 fevereiro, 2008

/uma fotografia, um nome\

The Diminishing Present
(© Edgar Martins)

Esta cultura que vivemos, onde se juntam a sociedade de massas e da multimédia a pecados velhos, despertou medos arquétipos e fez deles as banalidades que desfrutamos com comunitária ligeireza em filmes de Carpenter, Tim Burton, Cronenberg, Ridley Scott ou Wes Craven; permite-nos ainda aclimatarmo-nos a figuras de reconhecimento como qualquer Alien, a Matrix de Morpheus e Neo ou Constantine ou a renovados vampiros e mortos-vivos. Este tema de abominação paredes meias com o de contaminação é comum na Fotografia e em qualquer outra arte contemporânea, mas amalgama-se, como efeito perverso, com a inquietação solitária e o desespero miudinho que nos atravessam em lugares de estranheza.

A própria civilização mediática e electrónica vai criando os seus sítios estranhos, como os não-lugares da sobremodernidade de Marc Augé, que é tudo o que nos rodeia para nos fazer livres e felizes: as temíveis estações de metro fora de horas, os aparcamentos vazios com a sua aparelhagem expectante, as arriscadas caixas de multibanco, as indicações, a sinalética, os cartazes que nos dizem como conversar com os nossos fantasmas.

Outro efeito da ordenação da cultura mediática é o desprazer que nos causam as periferias. Temática de reflexão social e montra de desregulamento cívico, a periferia tem deficit de equipamentos básicos, desertifica-se nas horas de trabalho, é marcada pela incompletitude. É o sítio bárbaro por excelência, porque muito próximo e tentacular: não é já o arrabalde simpático e de lazer, mas um caos sorrateiro que cresce de fora contra a cidade.

Tornou-se, naturalmente, um tema fotográfico, mais, um tema da arte do visual, seja no conceptualismo, seja nos humanistas. A ideia de periferia mexe-se no espaço ético e a sobremodernidade.

Edgar Martins, que desenvolveu o seu mérito académico na Grã-Bretanha, assumiu este tema conceptualmente e acabou por desenvolver um tipo de olhar que nos remete tanto às concepções de Axel Hütte, como aos justos devaneios ecológicos e etnológico dos americanos New Topographics, nomeadamente na sua série Buracos Negros e Outras Inconsistências.

Esta fotografia pertence à série seguinte, The Diminishing Present, o que já diz tudo sobre a evolução do seu imaginário. Porque, afinal, esta paisagem molhada pelo nevoeiro, cabe no nosso museu imaginário fotográfico; estamos habituados a estes caminhos de bichos traçados no terreno, a um qualquer renque de árvores indecisas num horizonte qualquer, apesar da dimensão e da cor digitalizada, apesar do céu vazio que apontam a pós-modernidade. Mas aqui há qualquer coisa de novo e perturbador: pela geometria ajardinada das árvores? Pela opacidade do ar? Pela luz espectral?

A tentação é não relevar a imagem do referente natural que traz consigo, mas associá-la a outros lugares que conhecemos de filmes ou de vídeo-clips, já que se trata de um esvaziamento e de um não-tema. A informação que presta é obviamente conceptual, mas o todo, olhando-nos, afirma o que bem reconhecemos, a solidão, o incómodo da névoa, a humidade do chão, o corte com a transparência do futuro: o que está para lá no espaço e, necessariamente no tempo, e não vemos, não adivinhamos. E que a opacidade brumosa nos esconde. Edgar Martins não nos oferece uma paisagem, mas o padrão processual para a sintetizar. Tudo o que se mostra e o que se oculta, o que sabemos e o que sentimos perverte a informação. E inquieta, desestabiliza.

Maria do Carmo Serén

Edgar Martins (1977-), vive e trabalha, como fotógrafo e editor (The Moth House) na Grã-Bretanha, onde foi premiado (2003, 2005) e considerado “um dos mais influentes jovens artistas que usam o medium fotográfico”. Expõe habitualmente na China, Inglaterra e Portugal

9 comentários:

Anónimo disse...

humildemente, como mero leitor, confesso star hesitante sobre a pertinência deste comentário (ou "flashada"); porém, e dada a habitual eloquência da autora, acabo por deixar o reparo: creio haver ali uma gralha no texto, onde se lê "incompletitude"; porém, modestamente, admito estar enganado. talvez seja como a diferença entre eloquência e loquacidade.

Anónimo disse...

(bem, uma gralha é uma gralha; no comentário anterior lê-se "star" e, obviamente, devia ler-se "estar". é um erro tipográfico. não ortográfico todavia...)

M0rph3u disse...

Visual Babel
E' entao um hino ao Escapismo, quer a Autora dizer?

FrozenFlower disse...

Excelente fotografia!

Mateus disse...

"Olá, me chamo Mateus, sou paulistano do bairro da Aclimação, tenho 26 anos, sou médico e R2 de Psiquiatria. Daqui a exatamente um ano, 5 de Fevereiro de 2009, dia do meu vigésimo sétimo aniversário, vou me suicidar. O meu suicídio, ao contrário da maioria dos suicídios, não será fruto de uma atitude passional ou desesperada, não, e a maior prova é a sua data marcada arbitrariamente. Sou excêntrico, é verdade, entretanto os motivos para fazer as coisas dessa maneira vão muito além da minha excentricidade(...)"

http://ultimoano.wordpress.com

Anónimo disse...

M.do C. Seren, gosto sempre muito de ler os seus textos.

Guaranteed SEO disse...

Shanghai Fashionorganic makes
Bamboo Clothing,Bamboo fabric ,
Hemp clothing,Organic Cotton,
Organic cotton clothing,Hemp Sandal
Soybean clothingVinyl Bag
Vinyl Packaging
laser engraver which is also the perfect choice for stamp making.cnc router
Super file encryption,folder encryption,A powerful and easy-to-use program for encrypting and protecting your data

access ramps disse...

We review the bestonline poker bonus
online poker rooms
online poker guide
poker room reviews
poker sites
and so on.
We offer the highest quality flowers melbourne from around Australia at excellent prices
onlinecasino.com - online casino reviews
with best online casino,
usa online casino, strategy, news!

rugs disse...

iVANTEE is a professional outsourcing consulting and management company which focuses on outmanaging service
include software outsourcing.website development outsourcing
webサイト 開発ソフトウェア 開発
Laser marker,Laser Marking Machine,Laser Engraver
MCSEflexible coupling

 
free web page hit counter